A volta do leitor ao texto: reescrita.

14 - fev /2012

 

 

Seria ilusório imaginar que somente apresentando propostas de produção de texto e avaliando-as conseguiríamos, na prática, ótimos resultados, no que se refere à produção escrita de nossos alunos. Isso não basta. É preciso oferecer aos alunos condições favoráveis para tal tipo de atividade. Em primeiro lugar, segundo Geraldi, para produzir um texto é preciso que

 
a) se tenha o que dizer; b) se tenha uma razão para dizer o que se tem a dizer; c) se tenha para quem dizer o que se tem a dizer; d) o locutor se constitua como tal, como sujeito que diz o que diz para quem diz; e) e se escolham as estratégias para realizar (a),(b),(c) e (d).”
 
O aluno autor deve estabelecer nova relação com as palavras, aprender a contemplá-las e a selecioná-las cuidadosamente, enfim, perceber que cada uma tem mil faces secretas sob uma aparente face neutra (Sergundes). Deve se preocupar com a produção de um bom texto e, para isso, as atividades de reescrita permitem que faça inúmeras reformulações até atingir o ponto desejável. Essas voltas ao texto são motivadas e orientadas pelo professor, que demonstra como explorar possibilidades de uso, indica expressões inadequadas e orienta sobre a variedade padrão. Um texto nunca deve ser visto como produto acabado: é possível escrever várias versões até atingir um bom produto final (Sercundes).
 
(segmentos extraídos do texto de Meire Fiuza Canal)
 

 Verifique proposta completa no link:

http://editoradedodeprosa.com.br/PDF/Oficina%20-%20Reescrita.pdf